Avenida Historiador Rubens de Mendonça, 2254
Sala 302 - Edifício Americam Business Center
Jd. Aclimação - Cuiabá - Mato Grosso - (65) 3642-2606
BUSCA    
INÍCIO    LINKS    AGENDA    MULTIMÍDIA    WEBMAIL    CONTATO
MULTIMÍDIA
VÍDEO
Etanol de milho tem custo menor, rende mais, gera negócios...
GALERIA
Entrega do Selo de Cumprimento do Compromisso Nacional da Cana-de-Açúcar
11 foto(s)
SETOR SUCROENERGÉTICO

Dados Gerais

A História da Cana-de-Açúcar no Brasil

No Brasil, o cultivo da cana-de-açúcar se iniciou na região Nordeste do país, já que o produto se adaptou melhor ao clima e ao solo nordestino, no começo do século XVI. Ao detectar tal fato Portugal, deu início ao plantio em larga escala, no intuito de lucrar com o comércio do açúcar, além de começar o povoamento do Brasil. Nesta fase, a mão de obra utilizada era escrava. Ao distribuir as faixas da capitania hereditária, uma das exigências aos donatários era de que existesse o cultivo da cana de açúcar nas terras doadas.  Sendo assim, a base da economia colonial era o engenho de açúcar.

Os senhores de engenho tinham por objetivo principal a venda do produto para o mercado europeu. No entanto, o Pacto Colonial imposto por Portugal estabelecia que o Brasil só podia fazer comércio com a metrópole. O bom resultado trazido pelo cultivo da cana-de-açúcar despertou a atenção em outros países. Entre os anos de 1630 e 1654, o nordeste da nação tupiniquim foi alvo de ataques e fixação de holandeses. Os ‘intrusos’ estavam interessados no comércio de açúcar e acabaram implantando um governo em território brasileiro. Sob o comando de Maurício de Nassau, permaneceram lá até serem expulsos em 1654.

Mas, a saída dos holandeses acarretou graves consequêcias ao Brasil. A Holanda partiu levando consigo mudas de cana-de-açúcar e formaram outras lavouras nas Antilhas, colônias holandesas na América Central. Começou produzir açúcar e vender "a preço" muito mais baixo, fazendo a produção brasileira entrar em colapso e declínio. A queda na produção não fez com que ela parasse de uma vez. A colônia continuou produzindo cana-de-açúcar.

A produção permaneceu como uma importante fonte de renda, embora os olhos da Coroa já estivessem voltados às reservas de metais preciosos e não mais ao cultivo do produto. Atualmente, o Brasil é o principal produtor de cana-de-açúcar do mundo. Além do açúcar, também são produzidos da cana outros produtos: álcool, combustível e o biodiesel.

 

Brasil, o maior produtor

Mapa Produção País - GRANDE


A cana ocupa cerca de 7 milhões de hectares ou cerca de 2% de toda a terra arável do país, que é o maior produtor mundial, seguido por Índia, Tailândia e Austrália. As regiões de cultivo são Sudeste, Centro-Oeste, Sul e Nordeste, permitindo duas safras por ano. Portanto, durante todo o ano o Brasil produz açúcar e etanol para os mercados interno e externo.

Com o fim da regulamentação governamental, iniciou-se o regime de livre mercado, sem subsídios, com os preços do açúcar e etanol passando a ser definidos conforme as oscilações de oferta e demanda. Assim, os preços da cana passaram a depender de sua qualidade e da sua participação porcentual nos produtos finais.

Para gerenciar e equilibrar produção e demandas setoriais, a iniciativa privada tem procurado criar instrumentos de mercado, como operações futuras, e desenvolver novas oportunidades para o açúcar e etanol, por meio da queda das barreiras protecionistas e do empenho em transformar o etanol numa ‘commodity’ ambiental.

Fontes: historiador Aníbal Alencastro e site da UNICA (União da Indústria de Cana-de-Açúcar)

Sindicato das Indústrias Sucroalcooleieras do Estado de Mato Grosso - © 2011
Avenida Historiador Rubens de Mendonça, 2254 Sala 302 - Edifício Americam Business Center - Jardim Aclimação
CEP 78500-000 - Cuiabá - Mato Grosso - Brasil - (65) 3642-2606