Avenida Historiador Rubens de Mendonça, 2254
Sala 302 - Edifício Americam Business Center
Jd. Aclimação - Cuiabá - Mato Grosso - (65) 3642-2606
BUSCA    
INÍCIO    LINKS    AGENDA    MULTIMÍDIA    WEBMAIL    CONTATO
MULTIMÍDIA
VÍDEO
Etanol de milho tem custo menor, rende mais, gera negócios...
GALERIA
Usina Nova Mutun
1 foto(s)
SETOR SUCROENERGÉTICO

Dados Gerais

A História da Cana-de-Açúcar no Brasil

No Brasil, o cultivo da cana-de-açúcar se iniciou na região Nordeste do país, já que o produto se adaptou melhor ao clima e ao solo nordestino, no começo do século XVI. Ao detectar tal fato Portugal, deu início ao plantio em larga escala, no intuito de lucrar com o comércio do açúcar, além de começar o povoamento do Brasil. Nesta fase, a mão de obra utilizada era escrava. Ao distribuir as faixas da capitania hereditária, uma das exigências aos donatários era de que existesse o cultivo da cana de açúcar nas terras doadas.  Sendo assim, a base da economia colonial era o engenho de açúcar.

Os senhores de engenho tinham por objetivo principal a venda do produto para o mercado europeu. No entanto, o Pacto Colonial imposto por Portugal estabelecia que o Brasil só podia fazer comércio com a metrópole. O bom resultado trazido pelo cultivo da cana-de-açúcar despertou a atenção em outros países. Entre os anos de 1630 e 1654, o nordeste da nação tupiniquim foi alvo de ataques e fixação de holandeses. Os ‘intrusos’ estavam interessados no comércio de açúcar e acabaram implantando um governo em território brasileiro. Sob o comando de Maurício de Nassau, permaneceram lá até serem expulsos em 1654.

Mas, a saída dos holandeses acarretou graves consequêcias ao Brasil. A Holanda partiu levando consigo mudas de cana-de-açúcar e formaram outras lavouras nas Antilhas, colônias holandesas na América Central. Começou produzir açúcar e vender "a preço" muito mais baixo, fazendo a produção brasileira entrar em colapso e declínio. A queda na produção não fez com que ela parasse de uma vez. A colônia continuou produzindo cana-de-açúcar.

A produção permaneceu como uma importante fonte de renda, embora os olhos da Coroa já estivessem voltados às reservas de metais preciosos e não mais ao cultivo do produto. Atualmente, o Brasil é o principal produtor de cana-de-açúcar do mundo. Além do açúcar, também são produzidos da cana outros produtos: álcool, combustível e o biodiesel.

 

Brasil, o maior produtor

Mapa Produção País - GRANDE


A cana ocupa cerca de 7 milhões de hectares ou cerca de 2% de toda a terra arável do país, que é o maior produtor mundial, seguido por Índia, Tailândia e Austrália. As regiões de cultivo são Sudeste, Centro-Oeste, Sul e Nordeste, permitindo duas safras por ano. Portanto, durante todo o ano o Brasil produz açúcar e etanol para os mercados interno e externo.

Com o fim da regulamentação governamental, iniciou-se o regime de livre mercado, sem subsídios, com os preços do açúcar e etanol passando a ser definidos conforme as oscilações de oferta e demanda. Assim, os preços da cana passaram a depender de sua qualidade e da sua participação porcentual nos produtos finais.

Para gerenciar e equilibrar produção e demandas setoriais, a iniciativa privada tem procurado criar instrumentos de mercado, como operações futuras, e desenvolver novas oportunidades para o açúcar e etanol, por meio da queda das barreiras protecionistas e do empenho em transformar o etanol numa ‘commodity’ ambiental.

Fontes: historiador Aníbal Alencastro e site da UNICA (União da Indústria de Cana-de-Açúcar)

Sindicato das Indústrias Sucroalcooleieras do Estado de Mato Grosso - © 2011
Avenida Historiador Rubens de Mendonça, 2254 Sala 302 - Edifício Americam Business Center - Jardim Aclimação
CEP 78500-000 - Cuiabá - Mato Grosso - Brasil - (65) 3642-2606